segunda-feira, 12 de novembro de 2018

A surpresa do beijo roubado
Deixou-me num torpor ousado
Sem atitude! Fez-me corar
e no breve instante, sonhar.
Construir poemas é uma resistência,
Palavras que gritam a existência
De algo a mais além do silêncio,
Que existe antes de gigantes no cio.

sexta-feira, 9 de novembro de 2018


Não quero nada que não seja meu
Enfrento o destino que deus me deu,
Mesmo estas pústulas de carne podre
Que algum dia ei de descansar sobre.



quarta-feira, 7 de novembro de 2018


Na gruta com dentes de pedra
Se achega sem malícia, nem pudor
Torce o nariz enquanto anda de sobra
E é devorado pela gruta com muita dor




sexta-feira, 2 de novembro de 2018



Quantos acordes prontos?
O suficiente para tontos
Escolherem como arma, flores
Sustentando a essência de cores.


quinta-feira, 1 de novembro de 2018



A cicuta é servida quente
Que não é pra ter dúvida
Da intenção que alimente
Qualquer ousadia de vida



quarta-feira, 31 de outubro de 2018


Minha luta vai até onde
pessoas menos favorecidas
buscam um papelão que esconde
as misérias de suas vidas.



terça-feira, 30 de outubro de 2018

Sonhos sem rumo

No sonho que se sonha só
Não há imagem além do pó
Que se destila em meio ao calor
Rumo, sem rumo, só dó.
No sonho que se sonha só
Não há paz nem finca audaz
Só a busca incessante pela paz
Sem rumo, titubeantes no escuro.
No sonho que se sonha junto
Se juntam os pequenos
Os deixados pra trás de pronto
Sem rumo, aglutinantes espasmos.
No sonho que se sonha junto
Pode haver sonho, que o sol brilhe
Para afastar essa imundice
Rumo, em fila para a máquina que devora.

domingo, 19 de agosto de 2018


Até insetos são mais humanos...
Na próxima vez tente menos,
longe dos desejos de amar,
se não for pra ficar!



Quem já sofreu por amor
sabe que existe um fim
pra essa insistente dor
que tem gosto carmim.
Que venha logo!


Queime figurinha, queime!
não deixe sobras de seus olhos
nestas cinzas do cinzeiro.



O calor da luz do sol
que entra pela porta
acalenta minha carne
doída do frio da noite


segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Desespero



Você me saiu de mim
e me deixou assim,
sem suporte para o coração:
morrendo de inanição.

Afinal


Quantas vezes esse sofrer
vem em nossa porta bater
Enfim é mais um final
de um namoro ideal

Chorasse copiosamente
levantasse diariamente
Não me apoquente
que estou doente
Mas de um para nós
basta entortar a voz
No mundo do poema pode
enquanto a lágrima nos sacode
Enfim somos nós e eu
que sofre o que pereceu
E eu ainda nem terminei de
contar as coisas sobre...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...