domingo, 19 de agosto de 2018


Até insetos são mais humanos...
Na próxima vez tente menos,
longe dos desejos de amar,
se não for pra ficar!



Quem já sofreu por amor
sabe que existe um fim
pra essa insistente dor
que tem gosto carmim.
Que venha logo!


Queime figurinha, queime!
não deixe sobras de seus olhos
nestas cinzas do cinzeiro.



O calor da luz do sol
que entra pela porta
acalenta minha carne
doída do frio da noite


segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Desespero



Você me saiu de mim
e me deixou assim,
sem suporte para o coração:
morrendo de inanição.

Afinal


Quantas vezes esse sofrer
vem em nossa porta bater
Enfim é mais um final
de um namoro ideal
Chorasse copiosamente
levantasse diariamente
Não me apoquente
que estou doente
Mas de um para nós
basta entortar a voz
No mundo do poema pode
enquanto a lágrima nos sacode
Enfim somos nós e eu
que sofre o que pereceu
E eu ainda nem terminei de
contar as coisas sobre...

domingo, 5 de agosto de 2018

Fábrica de poemas


O poema precisa de tempo
forjar as palavras em fogo
colocar aqui, acolá, apagar...
Não somos fábricas de poemas,
nós poetas, se é que posso ousar
pensar que sou um... Poeta!
Mas não me impede de escrever
tentar formar um poema
com a verve que me foi dada
não sei por quem!
Só sinto vontade de escrever,
sem ser uma fábrica
um poema precisa de tempo
carinho, trabalho, escrever.
Que este seja um poema
é o que nós, poetas
esperamos no final
da produção, ter um poema!

Solidão


A solidão come pelos pés
estes que já andaram correndo
agora estão imobilizados...

Não se vai sem recusar
Sinto-me só
sinto-me
sinto
sim.
E ela te derruba
não importa o tamanho
a força de seu abraço
é extrema quando se quer.
Aparece porque quer
não porque foi chamada
e fica o quanto quer
resta esperar, para andar!

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Volta e meia


Desde que voltaste
minha letra caiu
não tenho mais poesia
desde que voltaste
Os dias, sim, são coloridos
cheios de amor e fodidos
mas minha verve
têm se ido
desde que voltaste.
Não me deixes
que prometo não escrever
só eu sei da dor
que economizo sem pudor
desde que voltaste.
Tu ainda pensas em mim
sei que sim
já que não me vem
a inspiração, piro
desde que voltaste.
Não fiques mais que o esperado
desse pranto machucado
o prato vem frio
desde que foste...
Eu escrevo.

quarta-feira, 30 de maio de 2018



Sou ave de gaiola aberta,
não tenho pressa
nem audácia
de ser livre.



sábado, 19 de maio de 2018


A marca de café na mesa
aponta que bebeste
o líquido da peste
que faltava pra tua beleza!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...